Notícia

Facebook está banindo posts que negam ou distorcem o Holocausto

Mark Zuckerberg anunciou a nova política da empresa ontem, que foi impulsionada por uma campanha feita por sobreviventes do Holocausto em todo o mundo, a fim de que a plataforma removesse postagens de negação do genocídio nazista. Além de remover postagens, o Facebook também começará a direcionar as pessoas a fontes autorizadas se elas buscarem informações sobre o Holocausto.

A campanha #NoDenyingIt, coordenada pela “Conferência sobre Alegações de Materiais Judaicos contra a Alemanha”, usou o próprio Facebook para fazer com que as súplicas dos sobreviventes fossem ouvidas pelo CEO, postando um vídeo por dia instando-o a remover grupos, páginas e postagens que negam o Holocausto como discurso de ódio.

Ao anunciar a medida, o Facebook disse que ela é justificada “pelo aumento bem documentado do antissemitismo globalmente e pelo nível alarmante de ignorância sobre o Holocausto, especialmente entre os jovens”. Pesquisas mostram que alguns americanos mais jovens acreditam que o Holocausto foi um mito ou foi exagerado.

O Facebook tem desagradado muita gente com seu posicionamento não tão rígido quanto ao que é considerado discurso de ódio em sua plataforma, mas na postagem de ontem, Zuckerberg disse que acredita que a nova política atinge o “equilíbrio certo” ao traçar os limites entre o que é e o que não é discurso aceitável. “Lutei com a tensão entre defender a liberdade de expressão e os danos causados ​​por minimizar ou negar o horror do Holocausto”, escreveu ele. “Meu próprio pensamento evoluiu à medida que vejo dados que mostram um aumento na violência antissemita, assim como nossas políticas mais amplas sobre discurso de ódio”.

A Conferência de Reivindicações disse que saudou a mudança de abordagem de Zuckerberg e a decisão da empresa de agir após sua campanha de depoimentos de sobreviventes. “É uma declaração muito importante e um alicerce para garantir que esse tipo de antissemitismo não seja ampliado”, disse Greg Schneider, vice-presidente executivo do grupo.

Vários outros grupos que pressionaram o Facebook a adotar uma linha mais rígida sobre a negação do Holocausto disseram que a decisão de segunda-feira foi um passo importante. “O Facebook está mostrando que reconhece a negação do Holocausto pelo que realmente é – uma forma de antissemitismo e, portanto, discurso de ódio”, disse Ronald Lauder, presidente do Congresso Mundial Judaico.

O Facebook disse que começaria a remover imediatamente as postagens de negação do Holocausto do Facebook e Instagram, mas pode levar algum tempo para treinar os sistemas técnicos da empresa e moderadores humanos para aplicá-la em escala global.

 

Fonte: AP NEWS

Talvez você também goste:

Leia mais